Med
icina e Terapêuticas de Parceria Espiritual




A Ammapet tem como missão promover a saúde física, emocional e espiritual de forma inovadora com recurso a métodos integradores de parceria humana e animal.





Seja Bem-Vindo (a) !

15 de novembro de 2011

O meu GaTo parece o GarFieLd

Ao contrário do que muitas pessoas pensam um gato gordo não é sinal de beleza e de saúde!

O único gato gordo que conheço que não tem problemas de saúde decorrente do seu excesso de peso chama-se Garfield (sim, esse mesmo, o da banda desenhada)!



 

Estudos recentes indicam que mais de 35% da população felina apresenta excesso de peso e infelizmente a obesidade felina é um problema difícil de combater hoje em dia.


O que causa a obesidade?

A sua causa orgânica é a mesma que em cães ou humanos - o desequilíbrio entre a ingestão e o gasto energético, ou seja, alta ingestão de calorias e pouco gasto calórico.
A causa da obesidade pode ser por distúrbios metabólicos (na maioria dos casos não acontece) ou por causas comportamentais, que é a causa mais frequente na prática clínica.
A orquiectomia (ou castração), ao diminuir indirectamente o metabolismo do animal, contribui também para a obesidade
Com a domesticação, os gatos passaram a ter hábitos muito diferentes do que tinham em vida selvagem. Tinham seus dias divididos em diversas atividades que dispendiam um grande gasto energético - caçar, dormir, comer, brincar, limpar-se etc.
  • Os gatos tinham o hábito de caçar o seu alimento, o que levava tempo e muita energia.
  • Gatos selvagens dormiam em média 12 horas por dia, os gatos em ambientes “domésticos” dormem até 18 horas por dia, o que diminui muito o seu tempo de vigília e com isso o gasto energético.
  • A limpeza é uma actividade que dispende muito tempo para os gatos (cerca de 30% do seu tempo de vigília) e pode ter um significado social em caso de higiene mútua.
  • Brincar era um hábito restrito aos filhotes mas hoje deve ser estimulado durante toda a vida do animal pois é uma importante forma de gastar energia.
Gatos obesos apresentam um risco 4 vezes maior de se tornarem diabéticos, terem problemas articulares, cardíacos entre outros.

A Ammapet analisa a Obesidade exagerada (isto é, acima dos 30% de peso corporal aceitável para o animal) como um reflexo do padrão emocional/psíquico/espiritual do humano com que o animal preferencialmente coabita. 
Tendo por base a medicina energética, padrões humanos em que o dono do animal pode ter sido sujeito em jovem como processos de humilhação (que ainda lhe causa vergonha) e que o levou a proteger-se, apresentando dificuldade em dizer não e um certo desiquilíbrio entre dar e receber amor na sua vida (tendencialmente só dá pois não reconhece a sua importância) permitem a somatização desta energia no animal.

Como prevenir ?

Para evitar o ganho de peso, a dieta do gato deve ser ajustada de acordo com o modo de vida e os hábitos do animal.
Ainda não existem muito produtos orais com real eficácia na prevenção da obesidade felina mas existem alimentos complementares em forma de pasta ou xarope capazes de promover um ligeiro aumento da taxa metabólica do animal.
O processo de tomada de consciência do humano (dono do animal) é FUNDAMENTAL para compreender de que forma pode energéticamente afectar o seu animal.  

Procure orientação médica !

O emagrecimento de um animal nessas condições deve ser orientado e assistido por um Médico Veterinário, pois emagrecer um gato requer um cuidado maior do que emagrecer um cão. A perda de peso no felino deve ser mais lenta, pois ao emagrecerem de forma brusca podem desenvolver uma doença chamada Lipidose Hepática que gera sérias complicações metabólicas.


Para além da tomada de Consciência de todos estes processos, o dono do animal deve investir o seu tempo e a sua energia olhando para dentro de si e trabalhando os seus processos interiores, por vezes dolorosos mas vitais, com vista à evolução conjunta e em Parceria Humana-Animal.